Gestão de Riscos para Transporte de Cargas

O roubo de carga é um problema grave que afeta o Brasil. Apenas em 2018, ocorreram cerca de 22 mil casos em todo o país, como aponta a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC). E, para piorar, ao longo de 2019, os números não reduziram.

Somente no primeiro mês, foram contabilizadas 977 ocorrências apenas no Rio de Janeiro, o que aponta um aumento de 41% e, claro, indica que a estatística atual pode ultrapassar a do ano anterior. Mas, afinal, como gerenciar o risco dessa logística e evitar que mais empresas entrem para esta estatística? Entenda agora.

O que é Gerenciamento de Risco?

A gestão de risco de transportes de cargas deve basear-se na análise dos riscos para as exposições da carga nas etapas que envolvem a cadeia logística de transportes, com base nisso, podemos exemplificar: 

  • Controlar o fluxo de informações internas e externas;
  • Identificar não conformidades,  buscando antecipar exposições e aplicando projeções de riscos;
  • Ordenar os processos do gerenciamento de risco na logística e transporte;
  • Estabelecer processos adequados para carregamento e amarração de mercadorias no compartimento de carga, prevenindo acidentes; 
  • Definir PGR (Plano de Gerenciamento de Risco), contemplando todas etapas do processo;

Com isso será possível adotar um conjunto de ferramentas que sustentarão o PGR (Plano de Gerenciamento de Risco), bem como deixará todos os envolvidos no processo habilitados a atuar de forma adequada às regras.

Colocando o Gerenciamento de Risco em prática

O gerenciamento de risco é dividido em quatro etapas:

  • Identificação: neste primeiro passo, as ameaças são identificadas e catalogadas para serem acompanhadas mais à frente. Aqui, inclusive, são considerados os riscos da carga, da rota e da região envolvida;
  • Análise: neste momento, é necessário analisar o que foi visto anteriormente, antecipando possíveis problemas que possam vir a acontecer;
  • Desenvolvimento de estratégias: este é o momento de desenvolver as ações para lidar com os riscos e, por fim, colocar as ações em prática e treinamentos;
  • Controle: em último caso, é preciso acompanhar minuciosamente o processo e identificar o que está sendo eficaz ou não.

As estratégias de Gerenciamento de Risco

O Gerenciamento de Risco corresponde a inúmeras vulnerabilidades às quais a cadeia está exposta, não fixando apenas na violência, mas também no armazenamento, transporte e na distribuição dos bens. Por esse motivo, as ações desenvolvidas estão ligadas, por muitas vezes, a fatores além da segurança.

É o caso, por exemplo, da inspeção de máquinas e equipamentos, observando onde há condições inseguras; da manutenção preventiva dos veículos; do cuidado com as embalagens e com a amarração da carga; do monitoramento em tempo real de acidentes; e do controle da jornada de trabalho de motoristas.

Já no que diz respeito à violência crescente no país, outras estratégias são elaboradas, como:

  • A contratação de apólices de seguro para resguardar os patrimônios;
  • Realizar check-list no equipamento + briefing com condutor antes das saídas para viagem;
  • Um serviço de rastreamento monitorado em tempo real, por 24 horas, todos os dias;
  • O planejamento das rotas, cercas e alvos mais segura;
  • Em casos mais complicados, até mesmo o uso de isca de carga e escolta armada.

Ainda assim, vale lembrar que o principal objetivo é fazer com que o seu bem chegue ao consumidor, independentemente da adversidade que possa atrapalhar esse processo, garantindo que seus lucros permanecerão e que não haverá nenhum prejuízo para a empresa.

Contrate a Skymark Gerenciador de Risco

Se você também lida com a logística de produtos, não deixe de entrar em contato conosco. Oferecemos o Gerenciamento de Risco e todos os serviços necessários para que sua carga esteja em segurança e, especialmente, para que você continue garantindo a satisfação de seus clientes.

Fale com o Comercial